Postado em 14/04/2010 por Marina | Categoria(s): Geral

O que penso a respeito do movimento LGBTs

158 Comentários

a A

Quem conhece a minha história e convive comigo sabe que respeito as diferenças e sou defensora da tolerância. Acredito que são posturas essenciais para a construção da ética democrática.

Minha voz e meus atos nunca manifestaram ou manifestarão, portanto, qualquer tipo de rejeição a qualquer movimento legitimado por aquilo que costumo chamar de forças vivas da sociedade.

Sempre que me perguntam sobre o que penso a respeito do movimento LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis e transgêneros), seus direitos e sua luta por leis que os protejam de discriminação, digo que reconheço a legitimidade do movimento e de suas reivindicações.

O Estado deve assegurar a todos – sem distinção – igualdade. As políticas públicas, democraticamente aprovadas pelo Parlamento, e implementadas pelo governo, devem atender a todos.

Falo isso porque, nos últimos dias, um vereador de meu partido, militante do movimento LGBTs, me escreveu, com cópia para outras pessoas, dizendo que eu “escondi” a bandeira arco-íris que ele me entregou durante um evento público na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. O assunto chegou a ganhar certa repercussão no universo da internet. Sander Simaglio, segundo ele escreve, teria me pedido para estender a bandeira.

Sander, um ativo militante e parlamentar, atual presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara Municipal de Alfenas, subiu ao palanque no momento em que o presidente do partido em Minas, Ronaldo Vasconcellos, fazia seu discurso de posse. Na sequência, solicitou que eu tirasse uma foto ao seu lado. Atendi Sander, como faço com todos os pré-candidatos do PV, para registrar aquele encontro momentâneo. Não me recordo de ter tido qualquer outro diálogo com ele.

Logo em seguida, de forma simpática e respeitosa, ele me passou a bandeira que retirou do bolso de seu paletó. Como fiz com tantas outras lembranças que me foram dadas naquele dia – livros, artesanatos e flores –, passei a oferta do vereador para a minha assessoria. Então nos abraçamos, nos despedimos, e não notei nenhum desapontamento de sua parte.

Aliás, não tive nenhuma reação surpreendente ao receber a bandeira. Receber presentes e lembranças simbólicas é um ato corriqueiro em minhas andanças pelo país.

Na condição de pré-candidata à Presidência da República, me coloco como postulante a representar todos os brasileiros, independentemente do que pensam, de sua orientação sexual, do que crêem ou de sua militância. Minha história é meu compromisso. Política deve ser feita com respeito, sem proselitismo.

Por fim, reafirmo: ainda que minha conduta moral e ética integrem valores da fé cristã, que professo, não discrimino quem quer que seja e defendo plena cidadania para todos. O mesmo espero de todas as outras pessoas, candidatas ou não.



a A

Comentários

  1. Boa noite Marina Silva!
    Votei em voce, por achar que tem uma mente aberta, independente da sua escolha religiosa,que eu respeito,como também sou,porém no meu entendimento, que ser cristã,tenho uma visão cristã para com o meu proximo, no que diz respeito as suas escolhas e aceito-os como são, pois não tenho o direito de julgar,censurar ou até mesmo condenar, como Jesus Cristo não fez e continua não fazendo, através de nós cristãos.Ser homossexual não é “desvio de comportamento”doença,pecado, e sim uma escolha,como partido,religião,gostos, enfim,logo,ve-los como a um irmão em humanidade como a todos em comum é ser Cristão!Não lembro em nenhum momento Cristo ser preconceituoso,discriminador ou separatista. Está mais do que na hora de as religiões ir a um nivel de entendimento,compreensão,compaixão,acolhimento,ou seja Amor Incondicional para com todos!
    Grata!
    Nanci

  2. Priscilla Silveira
    01/10/2010

    Tudo bem Marina
    você não concorda com qualquer tipo de discriminação.
    Mas por favor esclareça,
    É a favor ou contra a união matrimonial de homossexuais ?

  3. wallasse Rodrigues
    30/09/2010

    Marina eu preciso saber, voce aprova ou nao o movimento homosexxual.Se voce crê em Deus me responda.Abraço

  4. Marc
    30/09/2010

    RONI,

    Porque os homossexuais e lésbicas devem estar no mesmo grupo dos ladrões, assassinos e pedófilos? Você ainda se diz respeitoso… Quanta hipocrisia!

  5. Anderson Castro
    30/09/2010

    Eu acho engraçado o povo cristão falar em ser perseguido, que não tem os mesmos direitos. Se são eles os primeiros a perseguir as pessoas, seja por preferência religiosa ou sexual. Vocês acham certo a forma que vocês interpelam as outras pessoas, humilhando e as colocando abaixo de tudo que é ruim. As leis existem sim e devem existi mesmo. Não é uma questão de perseguir, é uma questão de respeito o espaço dos outros. O direito do outro. Acho inadmissivel, uma pessoa usando o direito de se achar que só porque se julga cristão, invadir templos religiosos, gerando violência. Deus, deu pra vocês alguma procuração. Seria legal, se outras pessoas de outras religiões, fizesse o mesmo com vocês, invadisse os templos religiosos. As lei existem para que nós os cidadaos respeitem o direito do outro. Se você respeita o Espirita, o Candomblecista, o Católico, o Judeu, o Umbandista, com certeza eles irão respeitar a religião Evangélica. Respeito é bom e todo mundo gosta.

Adicionar comentário

Postado em 14/04/2010