Postado em 01/08/2014 por Equipe Marina | Categoria(s): Geral

‘Ativismo autoral vai mudar a qualidade da política’, diz Marina

0 Comentários

a A

pelotasmarina

 

 

 

 

 

 

 

Marina Silva, candidata à Vice-Presidência da República pela coligação Unidos pelo Brasil, afirmou em encontro com jovens em Pelotas (RS) que o Brasil pode trilhar um caminho mais próspero, justo e sustentável se houver um nova ética na política. “Na base de todas as crises está o problema dos valores.”

A ex-senadora lembrou que já há “respostas técnicas” para resolver alguns dos principais problemas vividos pelo Brasil. “O que falta é compromisso ético de fazer energia limpa, renovável, diversificada e segura. Já tem resposta técnica para fazer educação de qualidade. Mas só no Brasil temos 10 milhões de jovens analfabetos”. Lembrou que Eduardo Campos fez em seu governo em Pernambuco (janeiro de 2007 a abril de 2014) mais escolas em tempo integral do que os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais juntos.

“Estou com Eduardo Campos porque acredito que as bandeiras que defendemos em 2010 serão implementadas por ele no governo federal, porque boa parte ele já fez em Pernambuco. Eu estou com ele porque acredito que, para melhorar a qualidade da política, é preciso uma nova agenda que priorize a educação, a saúde, a segurança, o respeito à diversidade e que seja uma agenda de longo prazo no nosso curto prazo político, em vez de ser uma agenda de curto prazo para alongar nosso prazo na política”, disse Marina.

“Vivemos uma grave crise ambiental, vivemos uma crise política sem precedentes, não é só no Brasil, não, é no mundo. O [Zigmunt] Bauman diz em seu livro ‘Em Busca da Política’ que nunca se teve tanta liberdade para dizer o que se quer e tão pouca capacidade de mudar o que interessa. Como diz o Eduardo Campos, as velhas raposas é que estão mandando no governo. É por isso que não muda a qualidade da política.”

Marina disse aos jovens que a escutavam: “Vocês são o novo sujeito político”. “Faço parte de uma geração que vem do velho ativismo dirigido. Dirigido pelo partido, pelo sindicato, pelas ONGs, pelas comunidades de base. Essa foi a luta do nosso tempo. Hoje é o novo ativismo, é o ativismo autoral. Esse novo sujeito político vai ter de renovar os procedimentos na política, vai renovar os partidos, vai reciclar as lideranças políticas que repetem os mesmos discursos há tantos anos e que já não conseguem mais tocar mais nosso coração”.


a A

Postado em 31/07/2014 por Equipe Marina | Categoria(s): Geral

Baixe o material de campanha de Eduardo e Marina

0 Comentários

a A

 

material

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Acesse http://www.eduardoemarina40.com.br/material-de-campanha/ e baixe o material de campanha de Eduardo e Marina. São cartazes, adesivos, papeis de parede para computador e faixas para você imprimir, compartilhar com os amigos e mostrar que tem coragem para mudar o Brasil!Baixe, use, replique, compartilhe, distribua… E eleja Eduardo presidente!

#CoragemPraMudar #EduardoEMarina40


a A

Postado em 30/07/2014 por Equipe Marina | Categoria(s): Geral

‘Reforma tributária é estratégica para o Brasil’

0 Comentários

a A

Marina Silva, candidata à Vice-Presidência da República pela Coligação Unidos pelo Brasil, defendeu nesta quarta-feira (30) uma reforma tributária que contemple três princípios: justiça tributária, transparência e simplificação. A afirmação foi feita em entrevista após a participação de Eduardo Campos no encontro com empresários na CNI (Confederação Nacional da Indústria), em Brasília.

“Assumimos o compromisso de fazer a reforma tributária com base em três princípios: o princípio da justiça tributária, pois hoje no Brasil aqueles que querem fazer investimentos que geram emprego muitas vezes são prejudicados, e também do ponto de vista do trabalhador, que tem tributos que lhe são cobrados quando vai ao supermercado; o princípio da transparência; e o princípio da simplificação, porque uma boa parte do tempo das empresas é gasto com estrutura para pagar os tributos. E que a política tributária seja coerente com os serviços que se deve prestar para a sociedade, pois o Estado cobra tributos altos e não devolve isso na forma de bens e serviços para a sociedade, que reclama cada vez mais a qualidade desses serviços.”

Ouça a entrevista de Marina Silva: http://bit.ly/UMcNHt


a A